Mostrando postagens com marcador Maçonaria. Mostrar todas as postagens

CORDA DE 81 NÓS E MAÇONARIA – por Martha Follain

“Maçonaria é uma ciência, uma filosofia, um sistema de doutrinas que é ensinado de maneira bastante peculiar e própria por suas alegorias e símbolos”. Albert G. Mackey (1807-1881– autor maçom)

Foto: amaconariarevelada.blogspot.com 

A Maçonaria é uma organização mundial de homens que, utilizando-se de formas simbólicas dos antigos construtores de templos, uniram-se para o propósito comum de se aperfeiçoarem na sociedade. Maçons partem da premissa que a Luz Oculta (Centelha Divina) existe em todos os homens - é preciso despertá-la por esforço próprio. Os conceitos fundamentais de antigos ensinamentos como Alquimia, Hermetismo, coincidem com a Doutrina Aristotélica de que todas as coisas tendem a alcançar à perfeição. E, a perfeição do interior, da própria alma, é o que almejam os obreiros maçons.

A Maçonaria utiliza-se da Simbologia, em seus ensinamentos e a Simbologia é a ciência mais antiga do mundo. Através dos símbolos, os povos primitivos se expressavam e comunicavam suas tradições. O primeiro aprendizado foi constituído por símbolos - em um tempo onde a linguagem oral era ainda incipiente, os símbolos foram o meio de comunicação. A palavra símbolo deriva da palavra grega “symbolom”, que significa juntar, reunir. Os símbolos são uma representação de objetos, ideias ou ações e são uma linguagem especial, compreensível pelo hemisfério direito do cérebro, isto é, a imaginação. Eles têm um efeito muito poderoso na mente humana, sendo mais eficientes do que palavras.

Isso porque o significado contido em um termo muitas vezes, não traduz de fato, a essência do que busca comunicar. Remontam às origens da humanidade sendo, fundamentalmente, esotéricos – revelam de forma velada a sabedoria cósmica que orienta cada indivíduo nos passos da iniciação interna. Os símbolos, segundo Carl Gustav Jung, (1875-1961: psiquiatra suíço, discípulo de Freud - maçom) não são apenas alegorias, porém, imagens com conteúdos que podem transcender a consciência (são arquétipos). Jung postulou: “O homem necessita de uma vida simbólica”. Como não existe nenhuma cultura antiga (e mesmo moderna) sem símbolos, pode-se inferir que, eles façam parte, necessariamente, da trajetória humana.

A observação de símbolos no interior de uma Loja Maçônica provoca estímulos no cérebro, que são processados e compreendidos pelo inconsciente, através da memória genética e do inconsciente coletivo: religiões milenares, seitas pagãs, oráculos (tarô, runas, numerologia, etc.), mitologias. Os símbolos inspiram e ensinam, e são a matéria prima de uma linguagem atemporal. Portanto, a Maçonaria não pode ser compreendida, somente intelectualmente. “O que interessa à filosofia maçônica não é apenas o homem em si, mas o homem símbolo”. – Rizzardo da Camino (1918-2008: escritor maçônico). Fundamentado na Simbologia, o ensinamento maçônico é pessoal e autodidático - para cada maçom, será o resultado de seus estudos.

São vários os símbolos maçônicos e a “Corda de 81 Nós” é um deles. Símbolo eivado de outros símbolos: corda, nó de Hércules ou laço, símbolo matemático do infinito, número 1, número 8, número 9 (8+1), número 3 número 40 (40 + 40).

Segundo João de Jesus Paes Loureiro (1939-: escritor, poeta e professor), “a corda é um signo universal que se estende transversalmente por várias culturas e em diferentes épocas. É um símbolo de ascensão. Desejo e meio concreto de subir. Na tradição védica ela é a força do arco. Assim aparece no Rig Veda, a grande epopéia dos Vedas”:

“Ei-la que se aproxima da orelha como se fosse falar, beijando seu querido amante, é a corda: esticada no arco, ela vibra como uma donzela salvadora na batalha”

Varuna, divindade indiana, tem nas mãos uma corda com a qual estabelece ligação com a humanidade. Entre os antigos egípcios, em seus hieróglifos, a corda é uma representação, e pode designar a vida ou o nome de um homem. Na Grécia antiga a corda está nas mãos da deusa da Fortuna, que pode acabar com a vida dos humanos segundo seus caprichos. Há também lendas gregas que falam em um cordoeiro, “Ocno”, que trançava uma corda que era logo comida por um burro, simbolizando o trabalho constante. As antigas lendas nórdicas contam que os feiticeiros atavam os ventos com cordas de 3 nós. Na África a corda faz parte dos rituais de magia. Na cultura maia as cordas simbolizavam o sêmen dos deuses, que caíam como chuva para fertilizar a terra. No Japão, para os xintoístas, a corda protege contra os maus espíritos. No Islamismo a corda serve para ascender aos céus, etc.. O simbolismo da corda remete ao vínculo e à solidariedade, sendo a união entre 2 pontos. Cordas com nós têm sido utilizadas para fins mágicos desde a antiguidade. Os nós teriam o poder de armazenar encantamentos, liberando-os, lançando-os quando fossem desatados. 

Na Maçonaria há a Corda de 81 Nós. Sua origem pode estar na Maçonaria Operativa, século XIII (e termina com a fundação da Grande Loja de Londres, em 1717), onde os construtores se utilizavam de cordas com nós para efetuarem marcações e amarrações (muito importantes, mormente quando se tratava da construção de um Templo). Na fase Especulativa da Maçonaria, (século XVIII em diante), adquiriu um significado mais simbólico. Inicialmente na Europa (e até hoje), a Corda possuía 12 Nós e representava a Cadeia de União. No Brasil, a Corda passou a ter 81 Nós, e as teorias para isso são as mais diversas. 

A Corda de 81 Nós tem relação com outros símbolos maçônicos: o Pavimento Mosaico , a Cadeia de União, a Orla ou Borda Dentada e as Romãs, símbolos estes que conduzem os maçons à sua união e ao fato que formam uma família - segundo a citação maçônica: “Se perguntarem a um maçom: Quantos sois vós? Respondereis: SOMOS UM SÓ”. 

Para os maçons, uma Corda com Nós é o símbolo de sua comunidade. O Nó simboliza o enlace e a união. A Corda circunda a Loja, com Nós equidistantes, e é colocada no alto das paredes e acima das colunas zodiacais (R.E.A.A.). O Nó central deve ficar por cima do Delta Luminoso, no centro da parede do Oriente, acima do Trono (cadeira do Venerável Mestre) e acima do Dossel, se ele for baixo, ou abaixo dele e acima do Delta, se o Dossel for alto. 40 Nós são distribuídos em igual distância na parede do Sul e 40 outros na parede do Norte. É permitido que a Corda de 81 Nós seja esculpida na parede, mas preferencialmente, deve ser feita com material natural podendo ser de sisal, cânhamo, juta, linho, etc. O Nó simboliza o enlace e a união. Os Nós isolados são frágeis, mas unidos, tornam-se extremamente resistentes. Os Nós representam os maçons, que se unem sem se fundir, sem perderem a sua individualidade.

Cada um dos Nós é chamado de “Laço de Amor” (ou Nó em Oito ou Nó Quadrado ou Nó Direito) que lembra o amor que deve existir entre os membros da Loja e entre maçons, de uma forma geral. Era conhecido pelos antigos gregos como Nó de Hércules. Este Nó é muito utilizado por ser fácil de fazer e por sua simetria, mas se for submetido a tensão em apenas uma de suas pontas pode se desfazer. Além disso, une 2 cabos de diâmetros iguais – em cabos de diâmetros diferentes ele também se desmancha. E esses, são alertas simbólicos para o maçom. A forma de cada Nó lembra o ato de perpetuação da espécie, já que consiste em um laço, o feminino, que é penetrado pela corda, masculino, representando a continuidade da vida e tem o desenho do símbolo matemático “infinito” ∞. Essa imagem é conhecida desde a antiguidade, e tem o nome de “lemniscata” - é o 8 deitado, símbolo matemático, um traço contínuo sem começo nem fim. A lemniscata é uma figura geométrica e aparece em antigos desenhos celtas e no caduceu do deus Hermes, o deus grego que levava as mensagens dos mortais para os deuses. No tarô, a lemniscata aparece em duas lâminas: acima da cabeça do Mago na lâmina 1 e na lâmina 11, a Força.. O simbolo do infiníto, ∞, representa algo realmente grande em número, incontável, e o inglês John Wallis (1616-1703: matemático) foi o primeiro a utilizá-lo. Esses Nós entrelaçados (que não se interrompem) são a imagem da união que liga, por uma cadeia indissolúvel, os maçons. São 81 “Laços do Amor Fraterno” existentes entre todos os membros da Loja, sendo que o 81 pode representar, simbolicamente, um número infinito. 

Alguns autores maçônicos indicam mais uma interpretação para o uso do “Laço do Amor”: maçons são conhecidos como “Filhos da Viúva” (Hiram Abiff, arquiteto construtor do Templo de Salomão, onde a Maçonaria pode ter iniciado, seria filho de um tírio, obreiro do bronze, e de uma viúva da tribo de Neftali - depois da morte de Hiram Abiff, os maçons teriam se tornado filhos da viúva; ou, Viúva, é a própria Maçonaria, como instituição, já que Hiram Abiff foi assassinado – assim seus filhos, maçons, seriam órfãos de pai). “e coincidência ou não, tempos atrás, os cordões de seda com que as viúvas cercavam seus rostos eram feitos de “Laços de Amor” que terminavam em borlas”. 

A Maçonaria, em seu conteúdo esotérico, preocupa-se também com os números e seu estudo, que é a Numerologia. A Numerologia interpreta os significados ocultos dos algarismos e é uma ciência tão antiga quanto a formação do universo. Era ensinada e praticada desde os mais remotos tempos e utilizada pelos fenícios, babilônios, egípcios, gregos, romanos, chineses, árabes e caldeus. Os números são considerados como símbolos muito significativos por quase todas as civilizações ainda hoje. Para essa ciência os números possuem um valor metafísico e representam a ordem e a harmonia cósmica. Tudo o que existe emite uma vibração que está associada a números. 

Pitágoras (580 a.C.- 497 a.C.: filósofo e matemático grego) deu uma contribuição muito importante para o desenvolvimento da Numerologia, e sua obra é a base da Numerologia moderna. Ele dizia que tudo se reduz a números, os quais determinam a harmonia da música, da arquitetura e até dos movimentos dos astros. 

Claro está que, as interpretações a seguir não satisfarão todos os exegetas.

O número de Nós da Corda, 81, leva a desdobramentos: número 1, número 8, número 9 (8+1), número 3 e número 40 (40 + 40).

O número 1, contém em potência, todos os demais números. Todo número está constituído pelo anterior mais 1. O número 1 materializado no Nó central acima do Trono do Venerável Mestre, representa a Unidade Indivisível, o símbolo do Criador, Deus (G.A.D.U.), o princípio e fundamento do Universo e é considerado um número sagrado. Esse Nó traduz que a Maçonaria é conduzida pelo G.A.D.U..

O número 8 simboliza a Justiça e, na Mitologia Egípcia, é representado pelo deus Anúbis. Anúbis, o deus com cabeça de chacal, julga os mortos com uma balança, onde em um dos pratos é colocada uma pena e no outro o coração do iniciado. O 8 representa a dicotomia emoção/mente e é representado por 2 círculos, um em cima do outro. Por sua vez, o círculo é representado pelo “Ouroborus”, que é um símbolo muito antigo resgatado pela tradição alquímica, onde se vê uma serpente que morde a própria cauda e devora a si mesma. Foi largamente usado nos desenhos celtas. Representa o equilíbrio entre o masculino e o feminino universais. É também a representação do infinito e do equilíbrio dinâmico universal. O “Ouroboros” é o símbolo da meta a ser alcançada, a união dos opostos. 

Sem início nem fim, o círculo traduz a eternidade, a imortalidade, a perfeição, posto que é alfa e ômega. O início e o fim da vida humana. O 8, sendo símbolo da morte iniciática e da passagem de um mundo a outro, significa a morte do iniciado para o mundo profano e o ingresso em um novo caminho – o maçônico. 

O número de Nós da Corda, 81, é um número sagrado, que na tradição cabalística é representado pelos 72 anjos que servem diante do trono de Deus mais os 9 Elohin, Mestres Construtores do Universo. E 81 anos era a idade de Hiram Abiff quando foi assassinado. Nos Templos maçônicos, o número 81 simboliza também os princípios místicos de todas as tradições esotéricas, por conduzir ao número 9: 8+1= 9, que é o símbolo da imortalidade, da regeneração e da vida eterna. É o número dos iniciados e dos profetas. É o princípio da Luz Divina, Criadora. O número 9 no simbolismo maçônico desempenha um papel variado e importante. É a humanidade. O número raiz do presente estado de evolução humana. O número de Adão. O número da iniciação: assinala o fim de uma fase de desenvolvimento espiritual e o início de outra fase superior. As 9 esferas celestes e os 9 espíritos elevados que as governam. O ilimitado. Os 9 orifícios do corpo humano. Os 9 meses da gravidez humana. O número dos ciclos humanos temporais na Terra. O número 9 representa as hierarquias angelicais: serafins, querubins, tronos, dominações, potestades, virtudes, principados, arcanjos e anjos. O número 9 também tem relação com o Zoroastrismo, criado por Siptman Zoroastro (6400 a.C.) na Pérsia. Essa doutrina estava firmada sobre 3 pilares: bons pensamentos, boas palavras e boas ações. Zoroastro caminhava sempre com o seu cajado de 9 nós, que representavam: um só Deus; destruição das imagens; autodisciplina; igualdade das castas; militância; organização; simplicidade; democracia e fraternidade universal. Além disso, 81 é o quadrado de 9, que por sua vez é o quadrado de 3, número perfeito e símbolo da Divindade.

O número 3 era considerado místico por quase todas as antigas culturas. Na Bíblia 3 eram os filhos de Noé: Sem, Cam e Jafé. Eram 3 os varões que apareceram a Abraão, 3 os dias de jejum dos judeus desterrados, 3 as 

negações de Pedro. As trindades divinas sempre existiram em todas as religiões: Shamash, Sin e Ishtar, dos sumérios; Osíris, Ísis e Hórus dos antigos egípcios; Brahma, Vishnu e Shiva, dos hindus; Yang, Ying e Tao, do Taoismo, etc., além da Trindade cristã, Pai, Filho e Espírito Santo. Outras trindades consideradas esotéricas: trindade Cabalística: Kether, Chokmah e Binah. A trindade Familiar: Pai, Mãe e Filho. A trindade Alquímica: Nigredo, Rubedo e Albedo. Os 3 Planos ou Dimensões: Material, Espiritual e Físico. As 3 partes do átomo: próton, elétron e neutron. As 3 perguntas da Esfinge: Quem é você? De onde vem? Para onde vai? As 3 faces do tempo: Passado, Presente e Futuro. Os 3 reinos da Natureza: Mineral, Vegetal e Animal. O espaço é tridimensional: Comprimento, Largura, e Altura. O Universo é Espaço, Tempo, e Matéria. Os 3 ciclos de vida: Nascimento, Apogeu e Morte. O Conhecimento: Música, Geometria, Astronomia, segundo Pitágoras. A composição do homem: Corpo, Alma, Espírito. As 3 esferas concêntricas do Universo: Natural, Humano e Divino; O número 3 ao ser desenhado, é formado por 3 ângulos.

Para o maçom o número 3 tem uma relevância especial: 3 são os graus da Maçonaria Simbólica: Aprendiz, Companheiro e Mestre . 3 são os princípios maçônicos: Liberdade, Igualdade e Fraternidade. 3 são as Qualidades Maçônicas: Sabedoria, Força e Beleza. São 3 as Luzes da Loja: Venerável Mestre, Primeiro Vigilante e Segundo Vigilante. 3 Ordens da Arquitetura Grega utilizadas nas colunas: Dórica, Jônica e Coríntia. 3 são as qualidades exigidas para aqueles que postulam entrar para a Ordem: Vontade, Amor e Inteligência. 3 são as Jóias Fixas da Loja: Prancheta, Pedra Bruta e a Pedra Polida. 3 são as Jóias Móveis da Loja: o Esquadro, o Nível, e o Prumo. 3 são as Grandes Luzes: Sabedoria, Força e Beleza. 3 são as Virtudes Morais que devem estar no coração do maçom: Fé, Esperança e Caridade. Os 3 Pontos que identificam o maçom usados após sua assinatura, nas abreviaturas e nos códigos maçônicos: os 3 Pontos dispostos em triângulo equilátero são uma das expressões da Luz Interior e do Espírito que presidiu à Criação do Mundo. A tradição grega considerava o triângulo a imagem do céu. O triângulo é a mais estável das formas poligonais. 3 Pontos traduzem a concepção piramidal egípcia. Símbolo sexual masculino completo: pênis mais testículos. 

O número 40. 40 Nós para cada lado da Corda (excetuando-se o Nó Central). Em Numerologia 40 é o número simbólico da penitência, da provação da expectativa e do julgamento: os 40 dias do dilúvio bíblico. Os 40 dias que Moisés passou no deserto com o Senhor. Israel comeu o maná durante 40 anos. Os 40 dias do jejum de Jesus. 40 açoites (tem a ver com julgamento) era a pena máxima de chicotadas. Ezequiel levou a iniquidade da casa de Judá por 40 dias. Os 40 dias que Jesus esteve na Terra após a ressurreição. Jesus foi tentado por 40 dias. 40 anos os judeus peregrinaram pelo deserto até chegar a Canaã, a Terra prometida. Saul, Davi, e Salomão reinaram cada um durante 40 anos. Elias jejuou 40 dias. A Quaresma dura 40 dias. Antigamente certos doentes mais graves ficavam em quarentena como se tal fosse o período necessário para purificação. 

Há ainda as 2 borlas presas às extremidades da Corda em torno da porta de entrada, e são 2 os possíveis simbolismos: que a Maçonaria está sempre aberta para receber candidatos que desejem receber seus ensinamentos, ou que a Ordem é dinâmica e progressista, recebendo novas ideias em benefício da evolução individual e do progresso da humanidade. Essa segunda interpretação é a mais aceita. As borlas podem receber o nome de Justiça ou Equidade e Prudência ou Moderação.

Assim, a Corda de 81 Nós é um símbolo maçônico cheio de significados. Ela também funciona como uma “moldura”, que protege o sagrado do profano, especialmente durante os Rituais. É a representação da comunhão de ideais e objetivos, simbolizando a união fraternal, espiritual e a amizade entre maçons, trabalhando para a evolução da humanidade em qualquer parte do Planeta. 

Bibliografia:
- Internet;
http://www.lojasabedoria.com.br/index.php?option=com_k2&view=itemlist&task=category&id=4&Itemid=13&limitstart=42 – “os cordões de seda com que as viúvas cercavam seus rostos eram feitos de “Laços de Amor” que terminavam em borlas”.

- http://www.jornalobruxo.org/2013/04/universo-simbolico-magiah-dos-nos.html - Universo Simbólico: A Magiah dos Nós - Simples, porém eficaz! D’anjelo Terah - estudante de Artes Visuais. Fundador do Círculo de Estudos Pagãos Tuatha Lunar; 


- Camino, Rizzardo da - “Ritualística Maçônica” - São Paulo, Editora Madras, 1998;
- Castellani, José - “O Rito Escocês Antigo e Aceito - História, Doutrina e Prática” - São Paulo Editora A Trolha, 1995;
- Castellet, Alberto Victor - “O que é a Maçonaria” - São Paulo, Editora Madras;
- Leadbeater, C. W. - “A Vida Oculta Na Maçonaria” - São Paulo, Editora Pensamento, 1969;
- Mackey, Albert G. - “O Simbolismo da Maçonaria - Volume 1” - São Paulo, Editora Universo dos Livros, 2008;
- Mackey, Albert G. - “O Simbolismo da Maçonaria - Volume 2” – São Paulo, Editora Universo dos Livros, 2008; 
- Revista Superinteressante - Editora Abril - Agosto/2006;
- Revista Superinteressante - Editora Abril - Setembro/2005;


TEXTO REGISTRADO NA BIBLIOTECA NACIONAL – DIREITOS AUTORAIS – Reprodução permitida, desde que, com todos os créditos da autora e de seu trabalho.

Martha Follain: Formação em Direito, Neurolinguística, Hipnose e Regressão. Terapia Floral de Bach, Aromaterapia, Terapia Floral de Minas, Fitoterapia Brasileira, Cromoterapia, Cristaloterapia, Terapia Ortomolecular, Bioeletrografia, Terapia de Integração Craniossacral - para animais humanos e animais não humanos. Consultora da “Phytoterápica”.
CURSOS À DISTÂNCIA – via INTERNET – criados e ministrados por Martha Follain: 
Curso de Aromaterapia para Uso em Animais;
Curso de Aromaterapia para Uso em Humanos;
Curso de Florais de Bach para Uso em Animais;
Curso de Florais de Bach para Uso em Humanos.
Curso de Cromoterapia para Uso em Animais:
Curso de Fitoterapia para Uso em Humanos;
Curso de Fitoterapia para Uso em Animais;
Curso de Cristaloterapia para Uso em Humanos.
INFORMAÇÕES:


Tweet

Fatos Maçônicos ocorridos em 27 de outubro

Escrito por Sérgio Antonello 

1809 - Constitui a Loja de Promulgação para “instruir os Maçons nos Antigos Land Marks”, visando a unificação da Maçonaria inglesa,Lord Moira, Grão-Mestre da Grande Loja dos Modernos.

1845 - O Supremo Conselho para Inglaterra e Gales, data de sua fundação. 


1895 - A Loja Charitas II, de São João del-Rei, fundada nesta então próspera da cidade do interior mineiro em 27 de outubro de 1895, não fica cronologicamente muito distante da polêmica discussão sobre a origem da Maçonaria Brasileira. 
A História da Loja Charitas é também parte integrante da História da Maçonaria Brasileira e Mineira, haja vista que a primeira Loja Maçônica deste país, segundo alguns estudiosos, foi criada em 1724 na cidade de Salvador-BA.
 
1930 - Para que “adormeçam para sempre”, Mussolini recomenda publicamente que os Maçons sejam eliminados. 

1970 - Criada a Grande Loja Regular da Guanabara, em São Cristóvão, no Rio de Janeiro, em conseqüência da terceira reeleição fraudulenta do Grão-Mestre Wilson do Vale Fernandes. Suas falcatruas são expostas em dossiê intitulado “LIVRO NEGRO" 

2012 - Fundada Aug.'. e Resp.'. Loj.'. Simb.'. Fraternidade Paulistana n° 87 - Filiada a Grande Loja do Brasil.
 
Fonte: Grande Secretaria De Educação E Cultura 
GOU (Grande Oriente Universal)




Cuidado com a memória de sua casa




O padrão vibratório de uma casa "tem relação direta com a energia e o estado de seus moradores." Tudo o que pensamos e fazemos, as escolhas, os sentimentos, sejam bons ou ruins, SÃO ENERGIAS. O resultado "reflete nos ambientes, pessoas e situações."
 
O corpo é nossa primeira morada e nossa casa, sua extensão.
É ela que nos acolhe, protege e guarda nossa história. Da mesma forma que limpamos, nutrimos e cuidamos da vibração do nosso corpo, devemos estender esses cuidados e carinhos ao lar. Mais que escolher o imóvel e enfeitá-lo com móveis e objetos - muitas vezes guiados apenas por modismos ou pura praticidade, a elaboração da atmosfera de um ambiente é importante porque reflete a personalidades de seu dono, dando pistas sobre seus gostos, estílo de vida, história e sonhos.
 
Há quem acredite que, colocando cristais, sinos de vento, fontes, espelhos, instrumentos do Feng Shui, é possível atrair bons fluídos e equilíbrio para dentro de casa. "Mas, é MUITO POUCO, pois a personalidade de um ambiente vai além. Ela é conseguida dia após dia, não apenas com técnicas, mas com pequenos atos de carinho e com muita energia boa".
 
Além de atrair bons fluídos para o nosso lar, temos todas as condições de criá-los no interior do próprio ambiente. O conjunto de pensamentos, sentimentos, estado de espírito, condições físicas, anseios e intenções dos moradores fica impregnado no ambiente, criando o que se chama egrégora.
Você, com certeza, já esteve em uma residência ou ambiente onde sentiu um profundo bem-estar e sensação de acolhimento, independente da beleza, luxo ou qualquer outro fator externo. Essa atmosfera gostosa, sem dúvida era dada principalmente pelo estado de espírito positivo de seus moradores. Infelizmente, hoje em dia, é muito mais corriqueiro entrarmos em ambientes que nos oprimem ou nos dão a sensação de falta de paz e, às vezes, até de sujeira, mesmo que a casa esteja limpa. A vontade é ir embora rapidamente, "ainda que sejamos bem tratados".
 
O que "pouos sabem" é que as paredes, objetos e a atmosfera da casa tem memória e registram as energias de todos os acontecimentos e do estado de espírito de seus moradores.
Por isso, quando pensar na saúde energética de sua casa, tome a iniciativa básica e vital de impregnar sua atmosfera apenas com bons pensamentos e muita fé. Evite brigas e discussões desnecessárias. "Observe seu tom de voz: nada de gritos e formas agressivas de expressão." Não bata portas e tente assumir gestos harmoniosos, cuidando de seus objetos e entes queridos com carinho.
 
Não pense mal dos outros. Pragas, NEM PENSAR!!!
 
Selecione muito bem as pessoas que vão frequentar sua casa. Festas, brindes e comemorações alegres são bem-vindas porque trazem alegria e muita energia, mas cuidado com excessos. nada de bebedeiras e muito menos uso de drogas, que atraem más energias.
 
Se você nutre uma mágoa profunda ou mesmo um ódio por alguém, procure ajuda para limpar essas enegias densas de seu coração. Lembre-se que sua casa também pode estar contaminada.
 
 
Aprenda a fazer escolhas e determine o que quer para sua vida e ambiente onde mora. Alegria, amor, paz, prosperidade, saúde, amizades, beleza já estão bons para começar, não é mesmo?
 
Reflita sobre como você vive em sua casa, no que pensa, como anda seu humor e reclamações do seu dia-a-dia. "TUDO INTERFERE NO SEU ASTRAL."
  
 
“Emanemos luz, abrindo corações, despertando consciências."
 
Franco Guizzetti


O Bode na Maçonaria





Dentro da organização maçonica, muitos desconhecem o nosso apelido de bode. A origem desta denominação data do ano de 1808.
Porém, para saber do seu significado temos necessidade de voltarmos no tempo. Por volta do II e III século d.C. vários Apóstolos saíram para o mundo a fim de divulgar o cristianismo. Alguns foram para o lado judaico da Palestina. E lá, curiosamente, notaram que era comum ver um judeu falando ao ouvido de um bode, animal muito comum naquela região. Procurando saber o porquê daquele monologo foi difícil obter resposta. Ninguém dava informação, com isso aumentava ainda mais a curiosidade dos representantes cristãos, em relação aquele fato.




Até que Paulo, o Apóstolo, conversando com um Rabino de uma aldeia, foi informado que aquele ritual era usado para expiação dos erros. Fazia parte da cultura daquele povo, contar alguém da sua confiança, quando cometia, mesmo escondido, as suas faltas, ficaria mais aliviado junto a sua consciência, pois estaria dividindo o sentimento ou problema. Mas por que bode?

Quis saber Paulo. É por-que o bode é seu confidente. Como o bode nado fala, o confesso fica ainda mais seguro de que seus segredos serão mantidos, respondeu-lhe o Rabino. A Igreja, trinta e seis anos mais tarde, introduziu, no seu ritual, o confessionário, juntamente com o voto de silêncio por parte do padre confessor – nesse ponto a história não conta se foi o Apóstolo que levou a idéia aos seus superiores da Igreja, o certo é que ela faz bem à humanidade, aliado ao voto de silêncio, 0 povo passou a contar as suas faltas.
Voltemos em 1808, na França de Bonaparte, que após o golpe dos 18 Brumários, se apresentava como novo líder político daquele país. A Igreja, sempre oportunista, uniuse a ele e começou a perseguir todas as instituições que não governo ou a Igreja. Assim a Maçonaria que era um fator pensante, teve seus direitos suspensos e seus Templos fechados; proibida de se reunir. Porém, irmãos de fibra na clandestinidade, se reuniram, tentando modificar a situação do país. Neste período, vários Maçons foram presos pela Igreja e submetidos a terríveis inquisições. Porém, ela nunca encontrou um covarde ou delator entre os Maçons. Chegando a ponto de um dos inquisidores dizer a seguinte frase a seu superior: – “Senhor este pessoal (Maçons) parece BODE, por mais que eu flagele não consigo arrancar-lhes nenhuma palavra”. Assim, a partir desta frase, todos os Maçons tinham, para os inquisidores, esta denominação: “BODE” – aquele que não fala, sabe guardar segredo.
Texto do Ir. Jose Castellani