CORDA DE 81 NÓS E MAÇONARIA – por Martha Follain

“Maçonaria é uma ciência, uma filosofia, um sistema de doutrinas que é ensinado de maneira bastante peculiar e própria por suas alegorias e símbolos”. Albert G. Mackey (1807-1881– autor maçom)

Foto: amaconariarevelada.blogspot.com 

A Maçonaria é uma organização mundial de homens que, utilizando-se de formas simbólicas dos antigos construtores de templos, uniram-se para o propósito comum de se aperfeiçoarem na sociedade. Maçons partem da premissa que a Luz Oculta (Centelha Divina) existe em todos os homens - é preciso despertá-la por esforço próprio. Os conceitos fundamentais de antigos ensinamentos como Alquimia, Hermetismo, coincidem com a Doutrina Aristotélica de que todas as coisas tendem a alcançar à perfeição. E, a perfeição do interior, da própria alma, é o que almejam os obreiros maçons.

A Maçonaria utiliza-se da Simbologia, em seus ensinamentos e a Simbologia é a ciência mais antiga do mundo. Através dos símbolos, os povos primitivos se expressavam e comunicavam suas tradições. O primeiro aprendizado foi constituído por símbolos - em um tempo onde a linguagem oral era ainda incipiente, os símbolos foram o meio de comunicação. A palavra símbolo deriva da palavra grega “symbolom”, que significa juntar, reunir. Os símbolos são uma representação de objetos, ideias ou ações e são uma linguagem especial, compreensível pelo hemisfério direito do cérebro, isto é, a imaginação. Eles têm um efeito muito poderoso na mente humana, sendo mais eficientes do que palavras.

Isso porque o significado contido em um termo muitas vezes, não traduz de fato, a essência do que busca comunicar. Remontam às origens da humanidade sendo, fundamentalmente, esotéricos – revelam de forma velada a sabedoria cósmica que orienta cada indivíduo nos passos da iniciação interna. Os símbolos, segundo Carl Gustav Jung, (1875-1961: psiquiatra suíço, discípulo de Freud - maçom) não são apenas alegorias, porém, imagens com conteúdos que podem transcender a consciência (são arquétipos). Jung postulou: “O homem necessita de uma vida simbólica”. Como não existe nenhuma cultura antiga (e mesmo moderna) sem símbolos, pode-se inferir que, eles façam parte, necessariamente, da trajetória humana.

A observação de símbolos no interior de uma Loja Maçônica provoca estímulos no cérebro, que são processados e compreendidos pelo inconsciente, através da memória genética e do inconsciente coletivo: religiões milenares, seitas pagãs, oráculos (tarô, runas, numerologia, etc.), mitologias. Os símbolos inspiram e ensinam, e são a matéria prima de uma linguagem atemporal. Portanto, a Maçonaria não pode ser compreendida, somente intelectualmente. “O que interessa à filosofia maçônica não é apenas o homem em si, mas o homem símbolo”. – Rizzardo da Camino (1918-2008: escritor maçônico). Fundamentado na Simbologia, o ensinamento maçônico é pessoal e autodidático - para cada maçom, será o resultado de seus estudos.

São vários os símbolos maçônicos e a “Corda de 81 Nós” é um deles. Símbolo eivado de outros símbolos: corda, nó de Hércules ou laço, símbolo matemático do infinito, número 1, número 8, número 9 (8+1), número 3 número 40 (40 + 40).

Segundo João de Jesus Paes Loureiro (1939-: escritor, poeta e professor), “a corda é um signo universal que se estende transversalmente por várias culturas e em diferentes épocas. É um símbolo de ascensão. Desejo e meio concreto de subir. Na tradição védica ela é a força do arco. Assim aparece no Rig Veda, a grande epopéia dos Vedas”:

“Ei-la que se aproxima da orelha como se fosse falar, beijando seu querido amante, é a corda: esticada no arco, ela vibra como uma donzela salvadora na batalha”

Varuna, divindade indiana, tem nas mãos uma corda com a qual estabelece ligação com a humanidade. Entre os antigos egípcios, em seus hieróglifos, a corda é uma representação, e pode designar a vida ou o nome de um homem. Na Grécia antiga a corda está nas mãos da deusa da Fortuna, que pode acabar com a vida dos humanos segundo seus caprichos. Há também lendas gregas que falam em um cordoeiro, “Ocno”, que trançava uma corda que era logo comida por um burro, simbolizando o trabalho constante. As antigas lendas nórdicas contam que os feiticeiros atavam os ventos com cordas de 3 nós. Na África a corda faz parte dos rituais de magia. Na cultura maia as cordas simbolizavam o sêmen dos deuses, que caíam como chuva para fertilizar a terra. No Japão, para os xintoístas, a corda protege contra os maus espíritos. No Islamismo a corda serve para ascender aos céus, etc.. O simbolismo da corda remete ao vínculo e à solidariedade, sendo a união entre 2 pontos. Cordas com nós têm sido utilizadas para fins mágicos desde a antiguidade. Os nós teriam o poder de armazenar encantamentos, liberando-os, lançando-os quando fossem desatados. 

Na Maçonaria há a Corda de 81 Nós. Sua origem pode estar na Maçonaria Operativa, século XIII (e termina com a fundação da Grande Loja de Londres, em 1717), onde os construtores se utilizavam de cordas com nós para efetuarem marcações e amarrações (muito importantes, mormente quando se tratava da construção de um Templo). Na fase Especulativa da Maçonaria, (século XVIII em diante), adquiriu um significado mais simbólico. Inicialmente na Europa (e até hoje), a Corda possuía 12 Nós e representava a Cadeia de União. No Brasil, a Corda passou a ter 81 Nós, e as teorias para isso são as mais diversas. 

A Corda de 81 Nós tem relação com outros símbolos maçônicos: o Pavimento Mosaico , a Cadeia de União, a Orla ou Borda Dentada e as Romãs, símbolos estes que conduzem os maçons à sua união e ao fato que formam uma família - segundo a citação maçônica: “Se perguntarem a um maçom: Quantos sois vós? Respondereis: SOMOS UM SÓ”. 

Para os maçons, uma Corda com Nós é o símbolo de sua comunidade. O Nó simboliza o enlace e a união. A Corda circunda a Loja, com Nós equidistantes, e é colocada no alto das paredes e acima das colunas zodiacais (R.E.A.A.). O Nó central deve ficar por cima do Delta Luminoso, no centro da parede do Oriente, acima do Trono (cadeira do Venerável Mestre) e acima do Dossel, se ele for baixo, ou abaixo dele e acima do Delta, se o Dossel for alto. 40 Nós são distribuídos em igual distância na parede do Sul e 40 outros na parede do Norte. É permitido que a Corda de 81 Nós seja esculpida na parede, mas preferencialmente, deve ser feita com material natural podendo ser de sisal, cânhamo, juta, linho, etc. O Nó simboliza o enlace e a união. Os Nós isolados são frágeis, mas unidos, tornam-se extremamente resistentes. Os Nós representam os maçons, que se unem sem se fundir, sem perderem a sua individualidade.

Cada um dos Nós é chamado de “Laço de Amor” (ou Nó em Oito ou Nó Quadrado ou Nó Direito) que lembra o amor que deve existir entre os membros da Loja e entre maçons, de uma forma geral. Era conhecido pelos antigos gregos como Nó de Hércules. Este Nó é muito utilizado por ser fácil de fazer e por sua simetria, mas se for submetido a tensão em apenas uma de suas pontas pode se desfazer. Além disso, une 2 cabos de diâmetros iguais – em cabos de diâmetros diferentes ele também se desmancha. E esses, são alertas simbólicos para o maçom. A forma de cada Nó lembra o ato de perpetuação da espécie, já que consiste em um laço, o feminino, que é penetrado pela corda, masculino, representando a continuidade da vida e tem o desenho do símbolo matemático “infinito” ∞. Essa imagem é conhecida desde a antiguidade, e tem o nome de “lemniscata” - é o 8 deitado, símbolo matemático, um traço contínuo sem começo nem fim. A lemniscata é uma figura geométrica e aparece em antigos desenhos celtas e no caduceu do deus Hermes, o deus grego que levava as mensagens dos mortais para os deuses. No tarô, a lemniscata aparece em duas lâminas: acima da cabeça do Mago na lâmina 1 e na lâmina 11, a Força.. O simbolo do infiníto, ∞, representa algo realmente grande em número, incontável, e o inglês John Wallis (1616-1703: matemático) foi o primeiro a utilizá-lo. Esses Nós entrelaçados (que não se interrompem) são a imagem da união que liga, por uma cadeia indissolúvel, os maçons. São 81 “Laços do Amor Fraterno” existentes entre todos os membros da Loja, sendo que o 81 pode representar, simbolicamente, um número infinito. 

Alguns autores maçônicos indicam mais uma interpretação para o uso do “Laço do Amor”: maçons são conhecidos como “Filhos da Viúva” (Hiram Abiff, arquiteto construtor do Templo de Salomão, onde a Maçonaria pode ter iniciado, seria filho de um tírio, obreiro do bronze, e de uma viúva da tribo de Neftali - depois da morte de Hiram Abiff, os maçons teriam se tornado filhos da viúva; ou, Viúva, é a própria Maçonaria, como instituição, já que Hiram Abiff foi assassinado – assim seus filhos, maçons, seriam órfãos de pai). “e coincidência ou não, tempos atrás, os cordões de seda com que as viúvas cercavam seus rostos eram feitos de “Laços de Amor” que terminavam em borlas”. 

A Maçonaria, em seu conteúdo esotérico, preocupa-se também com os números e seu estudo, que é a Numerologia. A Numerologia interpreta os significados ocultos dos algarismos e é uma ciência tão antiga quanto a formação do universo. Era ensinada e praticada desde os mais remotos tempos e utilizada pelos fenícios, babilônios, egípcios, gregos, romanos, chineses, árabes e caldeus. Os números são considerados como símbolos muito significativos por quase todas as civilizações ainda hoje. Para essa ciência os números possuem um valor metafísico e representam a ordem e a harmonia cósmica. Tudo o que existe emite uma vibração que está associada a números. 

Pitágoras (580 a.C.- 497 a.C.: filósofo e matemático grego) deu uma contribuição muito importante para o desenvolvimento da Numerologia, e sua obra é a base da Numerologia moderna. Ele dizia que tudo se reduz a números, os quais determinam a harmonia da música, da arquitetura e até dos movimentos dos astros. 

Claro está que, as interpretações a seguir não satisfarão todos os exegetas.

O número de Nós da Corda, 81, leva a desdobramentos: número 1, número 8, número 9 (8+1), número 3 e número 40 (40 + 40).

O número 1, contém em potência, todos os demais números. Todo número está constituído pelo anterior mais 1. O número 1 materializado no Nó central acima do Trono do Venerável Mestre, representa a Unidade Indivisível, o símbolo do Criador, Deus (G.A.D.U.), o princípio e fundamento do Universo e é considerado um número sagrado. Esse Nó traduz que a Maçonaria é conduzida pelo G.A.D.U..

O número 8 simboliza a Justiça e, na Mitologia Egípcia, é representado pelo deus Anúbis. Anúbis, o deus com cabeça de chacal, julga os mortos com uma balança, onde em um dos pratos é colocada uma pena e no outro o coração do iniciado. O 8 representa a dicotomia emoção/mente e é representado por 2 círculos, um em cima do outro. Por sua vez, o círculo é representado pelo “Ouroborus”, que é um símbolo muito antigo resgatado pela tradição alquímica, onde se vê uma serpente que morde a própria cauda e devora a si mesma. Foi largamente usado nos desenhos celtas. Representa o equilíbrio entre o masculino e o feminino universais. É também a representação do infinito e do equilíbrio dinâmico universal. O “Ouroboros” é o símbolo da meta a ser alcançada, a união dos opostos. 

Sem início nem fim, o círculo traduz a eternidade, a imortalidade, a perfeição, posto que é alfa e ômega. O início e o fim da vida humana. O 8, sendo símbolo da morte iniciática e da passagem de um mundo a outro, significa a morte do iniciado para o mundo profano e o ingresso em um novo caminho – o maçônico. 

O número de Nós da Corda, 81, é um número sagrado, que na tradição cabalística é representado pelos 72 anjos que servem diante do trono de Deus mais os 9 Elohin, Mestres Construtores do Universo. E 81 anos era a idade de Hiram Abiff quando foi assassinado. Nos Templos maçônicos, o número 81 simboliza também os princípios místicos de todas as tradições esotéricas, por conduzir ao número 9: 8+1= 9, que é o símbolo da imortalidade, da regeneração e da vida eterna. É o número dos iniciados e dos profetas. É o princípio da Luz Divina, Criadora. O número 9 no simbolismo maçônico desempenha um papel variado e importante. É a humanidade. O número raiz do presente estado de evolução humana. O número de Adão. O número da iniciação: assinala o fim de uma fase de desenvolvimento espiritual e o início de outra fase superior. As 9 esferas celestes e os 9 espíritos elevados que as governam. O ilimitado. Os 9 orifícios do corpo humano. Os 9 meses da gravidez humana. O número dos ciclos humanos temporais na Terra. O número 9 representa as hierarquias angelicais: serafins, querubins, tronos, dominações, potestades, virtudes, principados, arcanjos e anjos. O número 9 também tem relação com o Zoroastrismo, criado por Siptman Zoroastro (6400 a.C.) na Pérsia. Essa doutrina estava firmada sobre 3 pilares: bons pensamentos, boas palavras e boas ações. Zoroastro caminhava sempre com o seu cajado de 9 nós, que representavam: um só Deus; destruição das imagens; autodisciplina; igualdade das castas; militância; organização; simplicidade; democracia e fraternidade universal. Além disso, 81 é o quadrado de 9, que por sua vez é o quadrado de 3, número perfeito e símbolo da Divindade.

O número 3 era considerado místico por quase todas as antigas culturas. Na Bíblia 3 eram os filhos de Noé: Sem, Cam e Jafé. Eram 3 os varões que apareceram a Abraão, 3 os dias de jejum dos judeus desterrados, 3 as 

negações de Pedro. As trindades divinas sempre existiram em todas as religiões: Shamash, Sin e Ishtar, dos sumérios; Osíris, Ísis e Hórus dos antigos egípcios; Brahma, Vishnu e Shiva, dos hindus; Yang, Ying e Tao, do Taoismo, etc., além da Trindade cristã, Pai, Filho e Espírito Santo. Outras trindades consideradas esotéricas: trindade Cabalística: Kether, Chokmah e Binah. A trindade Familiar: Pai, Mãe e Filho. A trindade Alquímica: Nigredo, Rubedo e Albedo. Os 3 Planos ou Dimensões: Material, Espiritual e Físico. As 3 partes do átomo: próton, elétron e neutron. As 3 perguntas da Esfinge: Quem é você? De onde vem? Para onde vai? As 3 faces do tempo: Passado, Presente e Futuro. Os 3 reinos da Natureza: Mineral, Vegetal e Animal. O espaço é tridimensional: Comprimento, Largura, e Altura. O Universo é Espaço, Tempo, e Matéria. Os 3 ciclos de vida: Nascimento, Apogeu e Morte. O Conhecimento: Música, Geometria, Astronomia, segundo Pitágoras. A composição do homem: Corpo, Alma, Espírito. As 3 esferas concêntricas do Universo: Natural, Humano e Divino; O número 3 ao ser desenhado, é formado por 3 ângulos.

Para o maçom o número 3 tem uma relevância especial: 3 são os graus da Maçonaria Simbólica: Aprendiz, Companheiro e Mestre . 3 são os princípios maçônicos: Liberdade, Igualdade e Fraternidade. 3 são as Qualidades Maçônicas: Sabedoria, Força e Beleza. São 3 as Luzes da Loja: Venerável Mestre, Primeiro Vigilante e Segundo Vigilante. 3 Ordens da Arquitetura Grega utilizadas nas colunas: Dórica, Jônica e Coríntia. 3 são as qualidades exigidas para aqueles que postulam entrar para a Ordem: Vontade, Amor e Inteligência. 3 são as Jóias Fixas da Loja: Prancheta, Pedra Bruta e a Pedra Polida. 3 são as Jóias Móveis da Loja: o Esquadro, o Nível, e o Prumo. 3 são as Grandes Luzes: Sabedoria, Força e Beleza. 3 são as Virtudes Morais que devem estar no coração do maçom: Fé, Esperança e Caridade. Os 3 Pontos que identificam o maçom usados após sua assinatura, nas abreviaturas e nos códigos maçônicos: os 3 Pontos dispostos em triângulo equilátero são uma das expressões da Luz Interior e do Espírito que presidiu à Criação do Mundo. A tradição grega considerava o triângulo a imagem do céu. O triângulo é a mais estável das formas poligonais. 3 Pontos traduzem a concepção piramidal egípcia. Símbolo sexual masculino completo: pênis mais testículos. 

O número 40. 40 Nós para cada lado da Corda (excetuando-se o Nó Central). Em Numerologia 40 é o número simbólico da penitência, da provação da expectativa e do julgamento: os 40 dias do dilúvio bíblico. Os 40 dias que Moisés passou no deserto com o Senhor. Israel comeu o maná durante 40 anos. Os 40 dias do jejum de Jesus. 40 açoites (tem a ver com julgamento) era a pena máxima de chicotadas. Ezequiel levou a iniquidade da casa de Judá por 40 dias. Os 40 dias que Jesus esteve na Terra após a ressurreição. Jesus foi tentado por 40 dias. 40 anos os judeus peregrinaram pelo deserto até chegar a Canaã, a Terra prometida. Saul, Davi, e Salomão reinaram cada um durante 40 anos. Elias jejuou 40 dias. A Quaresma dura 40 dias. Antigamente certos doentes mais graves ficavam em quarentena como se tal fosse o período necessário para purificação. 

Há ainda as 2 borlas presas às extremidades da Corda em torno da porta de entrada, e são 2 os possíveis simbolismos: que a Maçonaria está sempre aberta para receber candidatos que desejem receber seus ensinamentos, ou que a Ordem é dinâmica e progressista, recebendo novas ideias em benefício da evolução individual e do progresso da humanidade. Essa segunda interpretação é a mais aceita. As borlas podem receber o nome de Justiça ou Equidade e Prudência ou Moderação.

Assim, a Corda de 81 Nós é um símbolo maçônico cheio de significados. Ela também funciona como uma “moldura”, que protege o sagrado do profano, especialmente durante os Rituais. É a representação da comunhão de ideais e objetivos, simbolizando a união fraternal, espiritual e a amizade entre maçons, trabalhando para a evolução da humanidade em qualquer parte do Planeta. 

Bibliografia:
- Internet;
http://www.lojasabedoria.com.br/index.php?option=com_k2&view=itemlist&task=category&id=4&Itemid=13&limitstart=42 – “os cordões de seda com que as viúvas cercavam seus rostos eram feitos de “Laços de Amor” que terminavam em borlas”.

- http://www.jornalobruxo.org/2013/04/universo-simbolico-magiah-dos-nos.html - Universo Simbólico: A Magiah dos Nós - Simples, porém eficaz! D’anjelo Terah - estudante de Artes Visuais. Fundador do Círculo de Estudos Pagãos Tuatha Lunar; 


- Camino, Rizzardo da - “Ritualística Maçônica” - São Paulo, Editora Madras, 1998;
- Castellani, José - “O Rito Escocês Antigo e Aceito - História, Doutrina e Prática” - São Paulo Editora A Trolha, 1995;
- Castellet, Alberto Victor - “O que é a Maçonaria” - São Paulo, Editora Madras;
- Leadbeater, C. W. - “A Vida Oculta Na Maçonaria” - São Paulo, Editora Pensamento, 1969;
- Mackey, Albert G. - “O Simbolismo da Maçonaria - Volume 1” - São Paulo, Editora Universo dos Livros, 2008;
- Mackey, Albert G. - “O Simbolismo da Maçonaria - Volume 2” – São Paulo, Editora Universo dos Livros, 2008; 
- Revista Superinteressante - Editora Abril - Agosto/2006;
- Revista Superinteressante - Editora Abril - Setembro/2005;


TEXTO REGISTRADO NA BIBLIOTECA NACIONAL – DIREITOS AUTORAIS – Reprodução permitida, desde que, com todos os créditos da autora e de seu trabalho.

Martha Follain: Formação em Direito, Neurolinguística, Hipnose e Regressão. Terapia Floral de Bach, Aromaterapia, Terapia Floral de Minas, Fitoterapia Brasileira, Cromoterapia, Cristaloterapia, Terapia Ortomolecular, Bioeletrografia, Terapia de Integração Craniossacral - para animais humanos e animais não humanos. Consultora da “Phytoterápica”.
CURSOS À DISTÂNCIA – via INTERNET – criados e ministrados por Martha Follain: 
Curso de Aromaterapia para Uso em Animais;
Curso de Aromaterapia para Uso em Humanos;
Curso de Florais de Bach para Uso em Animais;
Curso de Florais de Bach para Uso em Humanos.
Curso de Cromoterapia para Uso em Animais:
Curso de Fitoterapia para Uso em Humanos;
Curso de Fitoterapia para Uso em Animais;
Curso de Cristaloterapia para Uso em Humanos.
INFORMAÇÕES:


Tweet

O Barco e as Ondas



Tentação, a palavra terrível.


Quase sempre intentamos fugir dela para simplesmente desertar do trabalho e, pois, da escola que o trabalho representa. E caímos no logro.

Ligamos a dificuldade construtiva e lançamo-nos no abismo da inércia, dissipando o tempo.

Tentação é o recurso que a sabedoria da vida emprega para dar-nos o conhecimento de nós mesmos.

O dinheiro sugere-nos a busca de prazeres desmedidos; opondo-lhe o freio do discernimento, aprendemos que deve ser utilizado para a criação das alegrias nobres que nos enriquecem a alma.

O mal convida-nos a cultuar-lhe os desequilíbrios; resistindo-lhe aos impulsos, aprendemos que o bem deve ser incorporado ao nosso espírito para ser naturalmente usado por nós.

Como a tentação surge ou pelas gratificações que propõe, sabemos o que somos e o que nos cabe fazer. Sem ela, impossível aperfeiçoamento.

Lembremos o barco e as ondas que tentam afundá-lo. Sem elas não chegaria ao porto, mas é preciso vará-las sem deixar que entrem nele.


.André Luiz / Médium Chico Xavier
Livro: Sol nas Almas 





Varinha de ritual de 9.000 anos é descoberta na Síria

Pessoas da era neolítica gravaram dois rostos humanos realistas em uma varinha de osso, instrumento que foi descoberto perto de um cemitério onde cerca de 30 pessoas foram enterradas sem suas cabeças. Os arqueólogos estão agora tentando determinar o que os antigos sírios usaram para isso.


A varinha de osso foi descoberta pela primeira vez durante escavações em 2007 e 2009 em um local no sul da Síria chamado Diga Qarassa. Estranhamente, o artefato e esqueletos já havia sido desenterrados e colocados perto de uma porção habitada do assentamento. Juan José Ibáñez e seus colegas fizeram a descoberta antes da guerra civil, mas felizmente a área escapou dos danos. O local remonta ao final do século 9 aC.
A varinha de osso, que foi encontrada em uma camada funerária, provavelmente foi esculpida a partir da costela de um auroque (um antepassado selvagem da vaca). Ela retrata dois rostos humanos esculpidos e provavelmente foi usada em rituais fúnebres. De acordo com os arqueólogos, pode ser uma representação de poderosos seres sobrenaturais – ou poderia representar uma nova forma de perceber a identidade humana. Esses povos antigos podem ter acreditado que, representando os mortos em forma visual, os vivos e os mortos podiam ser aproximados.
Os especialistas também sugerem que as cabeças ficavam em exposição como troféus de inimigos vencidos. Em última análise, no entanto, o propósito e o simbolismo da relíquia permanece desconhecido. [io9]

Via Mistérios do Mundo.

Canadense afirma provocar experiências extra-corpóreas quando quiser

Uma mulher canadense que afirma poder alcançar experiências extracorpóreas à vontade pode ajudar a responder se este fenômeno é um espetáculo espiritual ou apenas um truque da mente. Muitos poderiam julgar isso como besteira, mas em um artigo do site ‘Daily Mail’, a mulher de 24 anos (que não quis se identificar) afirma ser capaz de ‘deixar’ seu corpo sempre que esta é a sua vontade, e voar livremente, habilidade esta que julgava ser comum em todos.


Este fenômeno é conhecido como ‘experiência extracorpórea’ e acredita-se ser resultado de áreas do cérebro associadas com imagens sinestésicas, que lidam com a sensação de movimento. Mas estes acontecimentos eram observados apenas em pessoas com anormalidades cerebrais. Cientistas da Universidade de Ottawa, no Canadá, estão estudando a mulher (que possui um cérebro absolutamente normal) e suas afirmações extraordinárias para averiguar o que está acontecendo.
Após vários testes e exames, cientistas revelaram que ela poderia ser a primeira pessoa capaz de provocar as experiências extracorpóreas por livre arbítrio. Verificou-se que, quando ela passa por estas experiências, ocorre o que chamam de ‘forte desativação do córtex visual’, e as áreas do lado esquerdo de seu cérebro passam por uma grande atividade.
Quando descreve sua experiência, a mulher explica:
“Sinto-me em movimento mesmo sabendo muito bem que não estou realmente em movimento. Não há dualidade de corpo e mente quando isso acontece. Na verdade, enquanto vivo estas experiências, sou muito sensível ao meu corpo. Inclusive, se giro por tempo suficiente, chego a ficar tonta. Eu não me vejo acima do meu corpo, em vez disso, todo o meu corpo subiu. Eu me sinto como se estivesse acima de onde realmente estou”.
A mulher afirma que começou a experimentar estes acontecimentos quando ainda era uma criança e estava entediada na ‘hora do sono’, na creche em que ficava. Ela descobriu que conseguia levitar para fora de seu corpo e utilizava isto como distração durante o tempo em que as crianças eram convidadas a tirar uma soneca. Ela continuou ‘brincando’ com esta condição durante todo seu crescimento, e como já mencionado, acreditava que todo mundo era capaz de fazer o mesmo.
Apesar de muita fantasia ao redor das experiências extracorpóreas, os cientistas relacionam tais acontecimentos com atividades cerebrais e agora possuem evidências de que estes fenômenos estão apenas na mente. [News.com.au]


Via Mistérios do Mundo.

Carta egípcia de aproximadamente 1800 anos de idade é decifrada

Uma carta de cerca de 1.800 anos de idade escrita por um soldado egípcio para a sua família foi decifrada recentemente. O jovem soldado chamado Aurélio Polion estava provavelmente servindo como voluntário em uma legião romana na Europa.


Na carta, escrita na maior parte em grego, Polion diz a sua família que ele está desesperado para entrar em contato e pedirá licença para fazer a longa jornada de volta para casa.
Dirigida à sua mãe (vendedora de pães), irmã e irmão, parte da carta diz:
Eu rezo para que você esteja com a saúde em dia, e eu sempre faço reverências diante de todos os deuses em seu nome. Eu não paro de escrever, mas parece que você não me dá atenção. Estou preocupado, pois embora você receba muitas cartas minhas, nunca me respondeu para que eu possa saber como você… (parte da carta não sobreviveu ao tempo)
A parte de trás da carta contém instruções para a transportadora entregá-la a um veterano militar, cujo nome seria Acutius Leon, que seria capaz de encontrar a família de Polion. Embora o Império Romano possuísse um sistema postal militar, Polion parece não tê-lo usado, confiando o veterano em seu lugar. O jovem soldado diz ter escrito seis cartas para sua família sem resposta, o que sugere algum tipo de tensão familiar. Em outro trecho da carta, lê-se:
Enquanto eu estive na Pannonia enviei cartas à você, mas você me tratou como um estranho. Vou obter a licença do comandante, e voltarei para que saibas que sou seu irmão
A carta foi encontrada do lado de fora de um templo da cidade egípcia de Tebtunis há mais de um século atrás em uma expedição arqueológica liderada por Bernard Grenfell e Arthur Hunt. Os exploradores descobriram uma série de papiros na cidade, mas não tiveram tempo para traduzir todos.
Recentemente, Grant Adamson, doutorando na Universidade de Rice, assumiu a tarefa de traduzir o papiro. O uso de imagens de infravermelho fez com que o texto ficasse mais legível. Sua tradução foi publicada no Boletim da Sociedade Americana de Papirologia. Adamson não tem certeza se a família do soldado respondeu a seus pedidos, ou se Polion chegou a vê-los, mas acredita que a carta chegou a casa, devido ao fato da mesma ter sido encontrada no Egito. [LiveScience]




Leia mais em MisteriosdoMundo